23 de abril de 2009

Qual o teu livro?


Hoje é o Dia do Livro. Infelizmente, não leio tanto como gostaria. Às vezes por falta de tempo. Outras vezes prioridades. Outras vezes ainda por perguiça. 

Comecei por ler os livros da Anita. Depois passei para mistérios. Devorava os livros da "Nancy Drew", e adorava como ela resolvia os crimes. Numa semana era capaz de ler uns 2 livros.

Depois passei a ler mistérios mas com grande qualidade. Falo, obviamente, de Agatha Christie e do seu Poirot. Cheguei a ler muito Shakespeare, que adoro, mas também lia livros de vampiros. Foi a minha fase mais dark.

Cheguei a ler muita poesia, também, e clássicos. Ai os clássicos...

Tentei ler O Processo, de Kafka, mas não consegui ir até ao fim. Vou chocar alguns ao dizer isto, mas é a verdade: Detestei. Até tinha pesadelos.

Tenho em casa muitos livros para ler, e actualmente estou a ler o "Gomorra", mas, apesar de ser extremamente interessante, tem sido uma leitura com grandes intervalos.

Deixo-vos aqui a lista de alguns dos meus livros de eleição:
- O Grande Gatsby (The Great Gatsby), de Scott Fitzgerald
- Crime e Castigo, de Dostoievski
- O Monte dos Vendavais, de Emille Brontë
- Freakonomics, de Steven Levitt
- As mulheres na História (ou A História de Grandes Mulheres, não tenho bem certeza)

Quais os vossos livros de eleição? E estão a ler? Se sim, o quê?

Fico a aguardar as vossas respostas/propostas :)

4 comentários:

Moquinha disse...

Livro de eleição: Os Mais.
Beijinhos

Cindy disse...

Eu adoro ler!
Felizmente o meu pai incutiu-me o gosto pela leitura e desde muito cedo tive as estantes cheias de livros e revistas. O meu pai é assinante da revista das Selecções desde que me lembro de ser gente e muito aprendi com ela, porque lia-a de uma ponta à outra.

Quanto aos livros fui fã de "Uma aventura", mais tarde do Robin Cook e da Agatha. Tenho ainda livros com a encadernação vermelha e folhas amarelas de tão antigos que são os livros (herdados do pai). Gostava do Robin Cook pela descrição que ele dava aos textos onde eu até os cheiros conseguia sentir.

Para mim um livro tem de ter essência, tenho de conseguir sentir o que estou a ler, porque caso contrário não lhe tomo o gosto. Não sou de romantismos mas adorei o "As palavras que nunca te direi" e quando vi o filme fiquei um pouco decepcionada, porque estava à espera de encontrar aquilo que senti...

Mas, o livro que mais me marcou foi, sem dúvida, o "NAO DIGAS A NINGUEM de Jaime Bayly". Para mim é um livro fortíssimo, com uma carga emocional muito grande, onde um homossexual que se torna toxicodependente, retrata a sua vida desde criança, habitante da capital do Perú, onde o recolher era obrigatório.
Recomendo este livro a quem tem curiosidade de saber o porquê de um homem ser homossexual, não por ser um exemplo, mas por ser muito exemplificativo. Na altura que li este livro mudei a minha maneira de pensar em relação a muito assuntos que por vezes opinamos sem ter a mínima noção das coisas.

Neste momento estou a ler um sobre o comportamento das crianças... ou melhor, está na mesa de cabeceira para ir lendo...

Desculpa o testamento... eu sou assim, quando começo a falar...

Beijokas boas!

Tretoso Mor disse...

Tablete Apimentada,

Adoro ler e não vivo sem o papel perto de mim. Aquele cheiro é insubstituível.

Leituras.
Arturo Perez Reverte, um espanhol com livros muito bons, dos quais detaco "O Mestre de Esgrima", "A Tábua de Flandres" e o Pintor de Batalhas; Carlos Ruiz Zaffon, com "A sombra do vento" e "O jogo do Anjo"; Robert Wilson, com " O Cego de Sevilha", Steven Saylor com vários romances históricos, da época romana, A Fórmula de Deus do José Rodrigues dos Santos...

Eh pá, Sei lá, mas com tempo poderei dar-te muitas dicas. De cinema percebo e vejo pouco, infelizmente, mas de livros, vou-me orientando. Quando quiseres passa lá pelo Tasco.

Tretices grandes e apimentadas para ti.

disse...

A partir dos 13 anos o meu pai obrigou-me a ler livros e posteriormente a resumir o que tinha lido. E dizia-me: O livro é o teu melhor amigo!

Hoje, o livro é o meu melhor instrumento de trabalho por estar ligado à produção audiovisual.

É difícil escolher os livros de eleição, mas recordo-me das "20.000 Léguas Submarinas", do Júlio Verne. Serviu de ponto de partida para milhares de horas de puro prazer pela leitura.

O último livro que li chama-se "Os Segredos de Alcova dos Mestres Cozinheiros", de Irvine Welsh.

beijocas,
alfa1